Embora os cães e gatos sejam inestimáveis membros da família que compartilham todos os aspectos da vida de suas famílias, isso não significa que os pets estão livres de estresse tanto é que as pessoas apaixonadas por pets percebem isso. Ao consultar o médico-veterinário sobre o comportamento indesejado de um pet, os tutores costumam dizer coisas como: “Meu cão fica estressado quando o deixo sozinho em casa” ou “Meu gato está ansioso desde que nos mudamos”.

 

Qual a definição de estresse e ansiedade, como eles afetam os pets e seus “pais” e como podem ser controlados? Mantenha a calma e leia o material a seguir.

 

O que é estresse?

 

Curiosamente, até o presente momento, não há um consenso real sobre a definição de estresse. Em termos gerais, o estresse é considerado uma reação normal a uma situação de ameaça, causando uma série de respostas adaptativas fisiológicas e comportamentais. A ansiedade é um pouco diferente, pois define um estado emocional provocado pela previsão de que algo nocivo ou prejudicial acontecerá, mesmo que não haja uma ameaça evidente.
O estresse pode ser agudo – uma resposta a uma ameaça imediata – ou crônico, mantido por um longo período de tempo. Os especialistas podem fazer uma distinção entre o estresse fisiológico causado por doenças ou desafios ambientais e o estresse psicológico que ocorre em resposta a distúrbios ou transtornos na vida diária do pet, como a separação de um membro da família.

Qualquer que seja sua origem ou definição exata, tanto o estresse como a ansiedade podem levar a uma perda do autocontrole e da adaptabilidade e, a longo prazo, ter efeitos negativos na saúde dos pets e no relacionamento desses animais com seus tutores.

 

Mecanismos do estresse e consequências à saúde

 

Os mecanismos fisiológicos do estresse são complexos e envolvem os sistemas neuro-hormonal (ou seja, nervoso e hormonal). Quando o cérebro detecta uma ameaça, seja real ou imaginária, ele transmite impulsos nervosos para as glândulas adrenais, as quais liberam adrenalina e noradrenalina. Essas moléculas estimulam o coração, os pulmões e os músculos para permitir uma rápida resposta.
Uma cadeia específica de reações hormonais também é ativada pelo cérebro e acaba provocando a descarga de cortisol e corticosterona no organismo. Esses hormônios induzem a várias alterações metabólicas, como inflamação ou alteração da função imunológica do animal.

 

Quando ocasional, o estresse é considerado um fenômeno normal e até mesmo positivo. Contudo, quando o estresse é exagerado ou prolongado, ele pode afetar negativamente a saúde do pet. O estresse pode indevidamente inibir a resposta imunológica, diminuir a eficácia da vacinação, provocar doenças (p. ex., gástricas, cutâneas e cardiovasculares) ou até mesmo causar câncer.

 

Por que o estresse do pet afeta o elo homem-animal?

 

O problema é que, além de seu impacto negativo sobre a saúde do pet, o estresse e a ansiedade provocam comportamentos específicos no animal, considerados incômodos pelo tutor. Os pets estressados ou ansiosos são mais sensíveis a situações novas ou inesperadas. Se os pets não souberem como responder, eles poderão exibir comportamentos inadequados.
Em cães, fatores súbitos e agudos indutores de estresse podem, por exemplo, causar tremores, respiração ofegante ou incapacidade de responder às solicitações do tutor. Alguns cães que passam por estresse latem continuamente e até rosnam de forma agressiva, criando talvez mal-entendidos com o tutor e alterando seu relacionamento com ele. Ao sofrer de estresse crônico, os gatos podem desenvolver comportamentos desagradáveis ou irritantes, como anorexia, miado contínuo ou marcação territorial com urina, sendo este último particularmente incômodo para os tutores. Quando o estresse e a ansiedade fazem com que os pets se comportem mal, os “pais” desses animais respondem da mesma forma que eles fazem quando seus filhos se comportam mal: com raiva ou constrangimento.

Além disso, de acordo com pesquisas recentes, quando os pets ficam ansiosos por causa de alguma doença, seus tutores também ficam mais estressados e ansiosos. Isso também pode resultar em uma redução na qualidade de vida para ambas as partes.

 

Como lidar com o estresse?

 

Existem duas principais estratégias para tratar o estresse nos pets. A mais comum envolve o uso de ansiolíticos. No entanto, esses medicamentos geram problemas de habituação ou dependência e os “pais” dos pets tendem a preferir métodos mais “naturais” para controlar o comportamento de seu pet. Uma alternativa interessante consiste no uso de soluções dietéticas naturais para melhorar a capacidade do pet em lidar com o estresse. Adicionados a dietas, petiscos ou suplementos nutricionais, os ingredientes naturais podem ajudar os cães e gatos a lidarem melhor com suas próprias reações fisiológicas e emocionais frente a situações de ameaça. Essa abordagem pode ser particularmente adaptada em casos específicos, como desmame, feriados, separações, hospitalização ou introdução de novos pets na casa.

 

Que ingrediente pode naturalmente relaxar os pets?

 

Hoje em dia, inúmeros ingredientes alegam funcionalidades naturais para o controle do estresse. Entretanto, a maioria das soluções disponíveis para pet food carece de provas ou evidências clínicas para apoiar seus efeitos. Apesar disso, a eficácia de ingredientes naturais selecionados para lidar com o estresse foi estabelecida. Por exemplo, a suplementação de uma combinação de hidrolisado de peixe, extrato de Passiflora e extrato de valeriana demonstrou ser de grande interesse em cães submetidos a situações de estresse. De fato, essa solução demonstrou reduzir a intensidade do estresse canino, limitando a excitação neuronal e a liberação de hormônios do estresse.
Ademais, a suplementação de uma associação de extrato cítrico, alecrim, açafrão-da-terra (cúrcuma) e cravo-da-índia também demonstrou ajudar significativamente a limitar as consequências fisiológicas do estresse em cães, diminuindo o estado inflamatório causado por situações estressantes.

A natureza oferece vários ingredientes que podem aliviar o estresse dos pets. O segredo do sucesso está no talento dos especialistas em nutrição para encontrar a combinação certa que trará serenidade à vida dos pets…e de seus “pais”.

Pontos para levar para casa

  • Tal como acontece com os seres humanos, os pets também podem sofrer estresse.
  • Compreender os mecanismos e as consequências do estresse é o segredo para encontrar a abordagem certa de controle.
  • Os tutores de pets buscam soluções naturais para controlar o comportamento de seus animais.
  • Soluções dietéticas naturais podem ajudar a combater o estresse dos pets e a preservar o elo homem-animal.